Banco do Brasil: Sem bancos públicos não há desenvolvimento para o Brasil

0

Fundado pelo rei Dom João VI, em 1808, o Banco do Brasil é considerado a primeira instituição financeira do país. Naquela época, o objetivo era financiar a abertura de empresas manufatureiras do Brasil colônia. Atualmente, o BB oferece serviços nas áreas de seguro, de varejo e crédito, tal como o Crédito Rural, “uma série de empréstimos e investimentos voltados para o produtor rural, oferecido com condições especiais de pagamentos e menores juros”. Esse crédito só é possível graças ao incentivo do governo federal.

Com essa forte atuação no agronegócio e também nas micro e pequenas empresas, o Banco do Brasil foi o primeiro a abrir linhas de crédito, “com os programas Pronamp, Funcafé, FCO, Pronaf e demais opções que o BB oferece, o produtor rural consegue financiar as despesas de produção, investir em benfeitorias, tratores, e máquinas e implementos agrícolas, além de comercializar sua produção”. E é por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), destinado aos agricultores e aos pescadores artesanais, que os trabalhadores e trabalhadoras da Federação dos Trabalhadores na agricultura do Estado do Pará (Fetagri/Pa), pautam suas ações.

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar surgiu com “o objetivo de fortalecimento da agricultura familiar e também para dar apoio aos produtores familiares e à geração de emprego e renda”.

“Sou contra a privatização porque gera desemprego. Em segundo, é muito ruim deixar as nossas instituições bancárias sob o domínio total do capital privado, isso significa perder a nossa autonomia de direcionar modelos de crédito para agricultura com o Pronaf, e entre outros projetos direcionados para pessoas de baixa renda, pois os juros se tornam mais acessíveis e rebates no pagamento. Quando o programa surgiu, foi para melhorar o desempenho produtivo e da qualidade de vida da população rural”, disse Ângela Lopes, presidenta da Fetagri-PA.

Em entrevista realizada no dia 7 de janeiro, ao portal O Globo, o novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, disse ter a intenção de diminuir os incentivos dado ao crédito rural, ainda de acordo com ele, a ideia é buscar rentabilidade para o banco.

Segundo dados da Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), os bancos públicos são principais responsáveis pelo atendimento na maior parcela de municípios no país, sobretudo aqueles comumente considerados menos rentáveis. Assim como oferta de prazos e taxas diferenciados, visando atender toda sociedade sem objetivar o lucro.

“Considero a importância do BB como uma instituição que contribui para o desenvolvimento econômico e social das pessoas nos municípios, no Estado e no país, pois por conta de sua Fundação, o BB faz um trabalho  que envolve projetos sociais que valorizam o potencial das organizações e  também melhora a renda e a autoestima das pessoas”, disse Ângela.

Por conta disso, o Sindicato dos Bancários irá promover o Seminário de Bancos Públicos, com o propósito de alertar toda a sociedade para a defesa de empresas públicas e dos bancos públicos.

“É muito importante a presença dos bancários e bancárias nessa atividade. O evento também pretende esclarecer toda sociedade a função social que as empresas públicas têm, podemos citar que sem os bancos públicos menos estudantes poderão pagar seus estudos, assim como a comida ficaria mais cara. Por isso,  contamos com a participação de vocês nesta sexta (15),às 8h30, no auditório do Sindicato, na sede em Belém”, convidou o presidente do Sindicato, Gilmar Santos.

 

Fonte: Bancários PA

Comments are closed.