Reforma na agência Nova Marabá do Banco da Amazônia é urgente

0

Sindicato dos Bancários do Pará luta, ao lado dos empregados do banco, por soluções imediatas para reformar a agência

Infiltrações têm provocado alagamento em parte da agência

Quem trabalha todo dia na agência Nova Marabá, a agência mais rentável do Banco da Amazônia na principal cidade do sudeste paraense, não aguenta mais o sofrimento diário de ter que fazer um bom atendimento a seus clientes e manter as metas de lucro impostas pela instituição em uma unidade de trabalho totalmente insalubre, com uma instalação física que causa risco à integridade dos funcionários, dos clientes e usuários e aos próprios negócios do Banco da Amazônia na cidade de Marabá e região.

O Sindicato dos Bancários do Pará tem cobrado do Banco da Amazônia, constantemente, providências por reformas necessárias e urgentes na estrutura da agência Nova Marabá, mesmo prédio onde também funciona a superintendência regional do banco em Marabá, inclusive na última telereunião oficial com a instituição.

Na última sexta-feira 26/02, o Banco da Amazônia respondeu ao Sindicato, por e-mail, sobre a situação na referida agência, onde informa que o problema da infiltração na superintendência está sendo resolvido e que naquela data o banco realizava cotação de preços para resolver as infiltrações existentes na agência Nova Marabá, o que se concretizou nessa segunda-feira 1º de março, com a contratação da empresa Marco Construtora e Empreendimentos, para executar o serviço de reforma da agência, no valor de R$ 69.549,99.

Infiltrações ameaçam integridade de arquivos da agência

Mais de ano em busca de solução

Odor de mofo e humidade ameaçam a saúde dos empregados

O problema se arrasta desde o ano de 2019, quando os empregados da unidade tentaram fazer uma reforma no prédio da unidade, conseguiram laudo de engenheiro do Banco, levantaram orçamento, submeteram para a matriz, mas o Banco da Amazônia não liberou a reforma.

A informação foi apurada pelo dirigente do Sindicato dos Bancários em Marabá, Wellington Bonfim, que em 19 de janeiro deste ano esteve na agência Nova Marabá a pedido dos empregados do banco e constatou, com fotos e vídeos, a situação precária do prédio, com muitas goteiras e infiltrações em vários locais da unidade.

No dia 18 de fevereiro, outros empregados do Banco da Amazônia procuraram o Sindicato dos Bancário para relatar que a situação da agência Nova Marabá tinha piorado, com um odor muito forte de mofo e goteiras ainda maiores devido as fortes chuvas desse período do ano em todo o Pará, o que tem danificado documentos e até computadores.

Há rachaduras dentro e fora da agência Nova Marabá

No dia seguinte (19) a diretora do sindicato em Marabá, Heidiany Moreno e o diretor Welington Bonfim foram até a agência e conversaram com o superintendente regional do Banco da Amazônia em Marabá, Vanderlei Santos. Ele expôs que o Banco da Amazônia já fazia um reparo na estrutura do prédio da agência, com troca das calhas para amenizar as goteiras. Porém, informou que a reforma da agência só poderia ser realizada pela matriz, pois o valor ficaria muito acima da alçada de sua superintendência.

No dia 24 de fevereiro, o diretor Wellington Bonfim retornou na unidade para saber novidades sobre a reforma, mas a matriz não encaminhou mais nada. Na mesma data, o gerente executivo da GEREN, Francisco Moura, respondeu ao Sindicato que o Banco já estava fazendo os reparos das infiltrações na área da superintendência e que a Defesa Civil visitou a agência.

“A Subsede Marabá enviou ofício para a Defensoria Civil e para o Corpo de Bombeiros, para visitarem a agência. Realmente o Banco da Amazônia está fazendo o reparo das calhas, mas a reforma da agência vai bem além desse reparo. É preciso uma reforma em toda agência, para que se tenha um ambiente salubre para os funcionários”, afirma a diretora do Sindicato, Heidiany Moreno.

“Não há como negar que há um grave problema na estrutura da agência Nova Marabá, o que piora nesse período de chuvas intensas na Amazônia. O problema já existe há muito tempo, mas o Banco não dá a devida providência. Para nossos colegas que vivem o dia a dia da agência, a situação é insustentável. Inclusive, no dia 23 de fevereiro, em mesa de negociação, levantamos a questão da reforma e cobramos, novamente, providências no sentido de resolver de uma vez por todas os problemas daquela unidade, pois a reforma na instalação física de todo o prédio é necessária e urgente”, destaca o secretário geral do Sindicato e coordenador da Comissão de Empregados do Banco da Amazônia, Sérgio Trindade.

O Sindicato dos Bancários estará atento e fiscalizará o início e o andamento da reforma na unidade.

Fonte: Bancários PA

Comments are closed.